Ampliação do RDC para todas as compras da Administração

Ampliação do RDC para todas as compras da Administração

1 comentário

Regime Diferenciado pode ser ampliado e superar de vez a Lei Geral de Licitações

Em agosto de 2011 foi sancionada a Lei nº 12.462, que instituiu o Regime Diferenciado de Contratações. O RDC simplificou uma série de procedimentos e ajudou a desburocratizar o processo licitatório, garantindo mais celeridade aos certames. Inicialmente, o Regime foi pensado para a contratação de obras para a Copa 2014 e para as Olimpíadas 2016. Posteriormente, a comprovação de sua eficiência levou o Governo a ampliá-lo para outras licitações, como em obras de aeroportos localizados a até 350 km de cidades-sede da Copa; obras do PAC, do SUS e dos sistemas públicos de ensino; na reforma, modernização, ampliação ou construção de unidades armazenadoras da Conab; e, finalmente, em serviços no âmbito do Programa Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária.

O que era uma exceção, porém, está bem perto de se tornar regra. Já foi aprovada na Câmara e encaminhada ao Senado a MP 630/13, que estende o Regime Diferenciado de Contratações para todas as licitações e contratos no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios.

Inicialmente, a Medida Provisória elaborada pelo Executivo previa apenas a utilização do RDC na contratação de obras e serviços de engenharia para construção, ampliação e reforma de estabelecimentos penais e unidades de atendimento socioeducativo. Entretanto, após debates na comissão mista formada para avaliar a MP, a senadora Gleisi Hoffmann apresentou uma nova versão do texto, que amplia definitivamente o RDC.

“A tendência, como já era óbvio desde o começo, é que o Regime Diferenciado, aos poucos, se torne o Regime Geral. Isso até tem pontos positivos, pois o RDC traz avanços em relação à Lei nº 8.666/93 e, de fato, tem trazido economia de tempo e dinheiro aos cofres públicos”, opina o advogado Gabriel Senra da Cunha Pereira, sócio do escritório Cunha Pereira & Massara Advogados Associados.

Na visão de Gabriel, mesmo que, na teoria, a proposta da senadora não substitua a Lei de Licitações, nº 8.666/93, na prática é isso que irá acontecer, uma vez que todos os entes tenderão a utilizar o RDC, em detrimento da Lei Geral. Esse assunto, inclusive, já foi tema de um artigo publicado pelo escritório, que você pode ler aqui.

Apesar de defender a desburocratização e a modernização da Lei de Licitações, o advogado acredita que, novamente, o governo está atropelando um processo natural de debates e análises. “Seria importante haver mais discussões, audiências públicas, que fossem ouvidos especialistas da área, servidores públicos, empresas… Não se pode mudar uma lei tão importante ao país dessa forma”, defende.

Você também irá gostar

One comment

  1. abril 15, 2014 at 1:11 pm

    Amigos, o Brasil jà é um ANTRO DE CORRUPÇÃO com a Lei atual. Com essa nova FLEXIBILIDADE , vai ser um ROMBO em todas as Admiistrações tanto no âmbito Federal como Estadual e Muicipal. A PILANTRAGEM vai ficar maior ainda e os FRAUDADORES vão AUMENTAR SIGNIFICATIVAMENTE. Não acho que as ações de IMPUGNAÇÃO VÃO PARAR , neste sentido NADA VAI MUDAR. A agilização de PROCESSOS LICITATÓRIOS vai acarretar um AUMENTO DE PREÇOS EM GERAL e as EMPRESAS ESPECILIZADAS EM LICITAÇÕES, ou seja AQUELAS QUE SÓ FORNECEM PARA OS GOVERNOS , vão triplicar e as PROPINAS VÃO FICAR SOLTAS. As 8666 e 8883 ( me parece que são estes os números) NÃO FORAM CAPAZES DE ESTIRPAR A CORRUPÇAÕ, agora SÓ VAI AUMENTAR . ESSE É O BRASIL DO PT.

    Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *