“Proibir o Uber é retrocesso”

“Proibir o Uber é retrocesso”

1 comentário

Gabriel Senra da Cunha Pereira defende regulamentação dos serviços e analisa papel do Direito face à nova economia compartilhada

Recentemente, o escritório do Uber no Rio de Janeiro foi transferido para uma nova sede, cujo endereço tem sido mantido em sigilo. O motivo: medo da violência dos taxistas. A medida, apesar de drástica, não pode ser considerada injustificada, uma vez que os relatos de confrontos têm se tornado cada vez mais frequentes. A polêmica é tão grande que até a presidente já se posicionou sobre o assunto. Dilma afirmou que o Uber retira emprego dos taxistas, mas que isso é uma consequência do surgimento de novas tecnologias e que é preciso uma posição ponderada.

Ponderação, entretanto, parece estar em falta no debate. Quinze capitais, além do Distrito Federal, já têm projetos de lei em tramitação proibindo o Uber. O mesmo se repete nas Câmaras Municipais de nove municípios do interior e nas Assembleias Legislativas de seis Estados. O mais curioso é que o serviço do aplicativo, atualmente, só está disponível em quatro localidades: Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.

Na visão do advogado Gabriel Senra da Cunha Pereira, sócio do escritório Cunha Pereira & Massara Advogados Associados, a legislação com o intuito de proibir o Uber é um retrocesso absoluto. “O Direito deve acompanhar as evoluções da sociedade, e não engessá-las”, opina. Para Gabriel, além de ir na contramão do papel a que o Direito deve se prestar, essas são as típicas “leis que não pegam”. “Você pode proibir aplicativos de transporte individual de passageiros, como o Uber, hoje, mas amanhã surge um novo aplicativo, e aí? É um ciclo que nunca acaba”.

Regulamentação

O advogado acredita que as ferramentas e mecanismos de economia compartilhada, dos quais o Uber se tornou a figura mais evidente, são um caminho sem volta e que, portanto, cabe ao Estado regulamentá-las, e não proibi-las. “A finalidade máxima de um Estado é proporcionar melhor qualidade de vida a seus cidadãos, e não há dúvida que aplicativos como o Uber proporcionam essa evolução”, afirma.

Gabriel, porém, é taxativo quanto à necessidade de regulamentação desses serviços. Segundo explica, a oferta de transporte urbano é uma competência do Município, que a realiza, na maioria dos casos, por meio de concessões e permissões.

A Lei Federal nº 12.587/12 estabelece nos artigos 12 e 12-A que os serviços de transporte individual de passageiros são de utilidade pública e devem ser organizados, disciplinados e fiscalizados pelos municípios, sendo que o direito à exploração dos referidos serviços será outorgado a todo aquele que satisfaça os requisitos estabelecidos pela Administração. No caso de Belo Horizonte, a Lei Orgânica do Município prevê em seu art. 193, expressamente, que “Incumbe ao Município, respeitadas as legislações federal e estadual, planejar, organizar, dirigir, coordenar, executar, delegar e controlar a prestação de serviços públicos relativos a transporte coletivo e individual de passageiros, tráfego, trânsito e sistema viário municipal”.

Por se tratar de um serviço público definido em lei, portanto, é preciso que sejam estabelecidos critérios que deem condições de igualdade e isonomia a todos aqueles que desejam prestá-lo. “É bastante provável que o Uber, hoje, funcione de forma ilegal, pois presta um serviço de transporte individual de passageiros sem se submeter às mesmas regras e exigências da Administração para outros prestadores de serviços de mesma natureza”, pontua.

“Essas novas tecnologias demandam um novo paradigma jurídico sobre o que vem a ser serviço público ou privado e as formas de sua delegação. Mas é claro que isso deve ser feito com muito cuidado e estudos aprofundados. O Estado de Direito exige submissão a regras que não podem ser descartadas simplesmente pelo argumento de que um serviço é melhor que outro”, complementa.

PLS 530/2015

No mês de agosto o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) apresentou o Projeto de Lei 530/2015 que visa à regulamentação do serviço do Uber. O PLS passará por três comissões do Senado em caráter terminativo, ou seja, caso aprovado nas comissões segue diretamente para apreciação da Câmara, sem necessidade de ir a plenário.

Já o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), autarquia vinculada ao Ministério da Justiça e que tem por missão zelar pela livre concorrência de mercado, publicou no início de setembro um detalhado estudo intitulado O Mercado de Transporte Individual de Passageiros: Regulação, Externalidades e Equilíbrio Urbano. Por se tratar de um Documento de Trabalho, as conclusões do estudo não têm caráter oficial, mas ajudam a reforçar a visão de que a proibição do Uber – e de outros serviços semelhantes – é um retrocesso.

 “[…] é necessário discutir a regulação do mercado de transporte individual de passageiros, visto que não há elementos econômicos que justifiquem a proibição de novos prestadores de serviços de transporte individual. Para além disso, elementos econômicos sugerem que, sob uma ótica concorrencial e do consumidor, a atuação de novos agentes tende a ser positiva”, esclarece o documento.

 

Você também irá gostar

One comment

  1. setembro 22, 2015 at 11:16 am

    Meus comentários:
    Trabalho em um banco multinacional em que a empresa UBER Technologies Inc é uma das principais apostas no MUNDO e na área comercial já se estimula o uso do serviço/aplicativo para visitas a clientes.
    Realmente é um retrocesso à proibição do aplicativo em algumas capitais, incluindo SP, centro do empreendedorismo no país.
    Infelizmente, a legislação brasileira não detém a celeridade necessária para acompanhar as novas tecnologias que surgem diariamente. O reflexo dessa morosidade é uma economia em recessão em que o direito de alguns se sobressai em relação ao bem estar comum. Tenhamos como exemplo os EUA, sede do capitalismo moderno, onde o Uber já é aceito como serviço de transporte há bastante tempo. Lá a competição é vista de forma positiva funcionando como uma retroalimentação do sistema impulsionando mudanças e melhoras.
    O UBER cria um incomodo aos velhos táxis, mal preservados e com péssimos serviços e, por esse motivo, está sendo tão perseguido.
    UBER = COMPETIÇÃO = MELHOR SERVIÇO
    É lógico, que essa competição precisa ser leal e, é nesse momento, que as leis devem ser revistas e estudas para criar condições iguais de competição. Concordo que o Uber e Airbnb estão no limiar do legal e ilegal, mas são essas discussões que impulsionam o crescimento. A evolução surge da inquietação com o “status quo” criando oportunidades de melhoria na qualidade de vida das pessoas.
    Um grande abraço.
    Porto

    Responder

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *